Salas de espera (III)

Estender o braço de tamanho S num lugar do tamanho dum gigante, com picas do tamanho do mundo, dói. Fazê-lo acreditar que os super-homens também são abelhas nos tempos livres e que o mel do Nestum que lhe pusemos no braço antes de sair de casa (para não fazer “buá!buá! ao cubo” na hora do…

Salas de espera (II)

  Decidimos comprar um passe para a carreira das salas de espera. Aprendemos que fazer isto em modo “vamos ali e já voltamos” alivia o desassossego. Sentamo-nos no banco de trás, pomos os óculos de sol, abrimos a janela de cima, bronzeamos a testa e fazemos a viagem em jeito de festa. E à chegada,…

2016

Foi um ano de dualidades. Dois nascimentos: em Fevereiro, o nascimento do nosso Tigas e em Dezembro o do diagnóstico. A gravidez correu a rolar (tivessem visto o barrigão!), mesmo com a Clara ainda pequenita. Engravidamos (sim, plural…ai barriga do papá!) tinha a primeiríssima 7 meses. Foi uma gravidez planeada e desejada. Tão desejada que…

Salas de espera (I)

“There’s no place like…salas de espera” Pouco amenas e cheias de (im)pacientes. A música ambiente preferida é «As saudades que eu já tinha da minha bela casinha/» dos Xutos e não há leitura melhor que “Estórias Abensonhadas” do Mia Couto, para fugir ao pesadelo que é estar naquelas salas, à espera. Mas as perguntas são…